Estudantes descobrem que extrato da erva-cidreira pode matar larvas do Aedes aegypti

Foto: Divulgação
Muito além de suas propriedades medicinais já conhecidas – como calmante, diurética e expectorante –, a erva-cidreira ganhou uma outra notoriedade pelas mãos das estudantes Júlia Fagundes e Sandy Marques, ambas 17 anos.
Ao cursarem o 3º ano no Colégio Estadual Rolando Laranjeira, no município de Santa Maria da Vitória, no Oeste baiano, elas desenvolveram uma pesquisa em sala de aula e descobriram que a Lippia alba (erva-cidreira brasileira), existente em abundância na região, pode matar a larva do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da Dengue, Zica e Chikungunya.

Pelo alcance social, baixo custo e por não causar nenhum prejuízo à saúde, o projeto ‘A propriedade larvicida do óleo essencial da erva-cidreira brasileira’ acabou sendo selecionado para a 15ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), que acontece durante os dias 20 e 27 de março, na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). Ao todo, seis projetos da rede estadual serão apresentados no evento, destacando as experiências desenvolvidas no âmbito do projeto Ciência na Escola, da Secretaria da Educação do Estado da Bahia.
O projeto ‘A propriedade larvicida do óleo essencial da erva-cidreira brasileira’ foi desenvolvido em sala de aula e em campo. A estudante Júlia Fagundes fala sobre a experiência. “Desenvolvemos uma pesquisa sobre plantas existentes em Santa Maria da Vitória, como a erva-cidreira, o manjericão e a arruda, e, através dos óleos essenciais retirados destas espécies, fizemos testes com as larvas do A. aegypti. Comprovando, por fim, que a folha da erva-cidreira contém propriedades larvicidas, promovendo assim meios mais naturais de combatê-las”, relata.

De acordo com a pesquisa, o óleo essencial da Lippia alba – onde se encontram as propriedades larvicidas – é de fácil extração, tornando a técnica barata e acessível. Para se ter uma ideia, para extrair o óleo essencial do material vegetal, as estudantes construíram um destilador simples, com a utilização de materiais reciclados, como copos acrílicos (para formar o condensador); mangueira de nível (para transporte do óleo essencial); lâmpada (recipiente onde foi aquecido com água o material vegetal); T de PVC (fazendo a ligação da mangueira com a lâmpada); rolha de cortiça (para lacrar um dos lados do T); lamparina (para aquecer a solução) e lata de leite ninho.

Eficácia da erva-cidreira
Com os testes realizados, a partir desta tecnologia social, as estudantes concluíram que a propriedade larvicida presente no óleo essencial da erva-cidreira brasileira apresenta-se mais eficaz que o larvicida artificial. A professora de Biologia Sílvia de Araújo Silva, orientadora do projeto, conta que o mais interessante do trabalho, além da sua importância social, foi a identificação dos estudantes com a pesquisa. “Foi uma experiência muito gratificante e estimulante para toda a comunidade escolar. Testemunhá-los agregando e construindo conhecimentos foi um momento ímpar para mim, como educadora”, revela, afirmando que não há propostas de comercialização do produto natural.

A estudante Sandy Miranda comemora o reconhecimento nacional do projeto de iniciação científica e fala sobre as expectativas para a participação na Febrace. “Com este trabalho, passei a ter um olhar mais apurado para as Ciências, para a pesquisa. Não esperava que iríamos tão longe, porque trabalhos do país inteiro foram observados, embora o nosso tenha abordado um problema. Estou muito grata por este reconhecimento e, no momento, vivo um misto de ansiedade e felicidade com a aproximação da viagem para participar da Febrace 2017, em São Paulo”, conta.

Postagens mais visitadas deste blog

Serrolândia: Homem é assassinado na porta de casa no povoado de Maracujá

Serrolândia: Mulher morre envenenada